Das possibilidades


Tanta coisa mudou, desde aquele dia em que soltei as malas no caminho e me permiti abrir os braços para novas possibilidades, novas formas de sorrir, novas formas de amar a Deus, confesso que vez em quando olho para trás e dá uma saudade dos pesos que tive que soltar, acho que deve ser normal sentir saudade das coisas que fizeram parte da sua vida algum dia, mas é uma saudade que não dói, porque ao lembrar dos pesos, consequentemente lembro-me do bem danado que senti ao soltar cada um e a seguir leve, quase como se pudesse voar.
                                                        Samara Santos

Um comentário

  1. Preciso logo soltar minhas malas! (aos poucos vou soltando-as)

    ResponderExcluir